Status
📷 arquivo pessoal, 2022

[📣 alerta de textão]

Ato de resistência tem sido ser mulher dentro dessa sociedade doente, é repugnante, vem o gosto amargo na boca.

Não foi fácil acompanhar as últimas semanas dos noticiários. Fomos queimadas na fogueira em pleno século XXI, como na caça às bruxas que aconteceu no período da inquisição, no século XVI. Amarradas, amordaçadas, ameaçadas. Sofremos abusos TODOS os dias: de poder, físico, psicológico… não consigo enumerar, porque são infinitos. Nascer menina é ser inferior, condição criada pelo sistema patriarcal séculos atrás.

Estamos em 2022 e continuamos DOMINADAS pelo patriarcado. Chego a duvidar que um dia estaremos livres do MACHISMO e que seremos respeitadas.

Hoje estou cansada – resolvi me acolher – o chocolate é para disfarçar o amargo da boca, a frase é para não esquecer que somos resistentes. Amanhã começamos novamente, não vou desistir de desejar IGUALDADE e RESPEITO, sempre. JUNTAS.

Citação

Cais – Karine

Veja bem, não há o que fazer
Se os erros atrás não fazem mudar você
Me busquei dentro dos olhos teus
De tudo encontrei, mas nem um resquício meu
Quis desafogar você do amargo mar de não se importar assim
E as migalhas que me deu não quero mais, eu quero mais pois

Foi pra longe de nós, se perdeu
Avançando os sinais do meu eu
Me encontrei como cais de nós dois
Só parta em paz, pois parte de nós já foi

Quis desafogar você do amargo mar de não se importar assim
E as migalhas que me deu não quero mais, eu quero mais pois

Foi pra longe de nós, se perdeu
Avançando os sinais do meu eu
Me encontrei como cais de nós dois
Só parta em paz, pois parte de nós já foi

Nota

a mulher e seu caderno

nas últimas folhas em branco, escrevo. sexta-feira, 31 de dezembro, Lua minguante “que é uma fase de reflexão, de eliminação, finalização de ciclos e limpeza”, de acordo com os astrólogos. que ano! não é sobre perdão, é sobre mágoa e decepção. só o tempo pode resolver. a chave vira. neste ano escrevi – muito. cadernos – sim, no plural. foram meus companheiros. registros de sentimentos genuínos. estou presente em todas as linhas. me reconheci. assustei. reuni minha melhor e pior versão. acolhi meus defeitos. respeitei meus limites. corri na chuva. senti – tudo. aprendi sobre força e também sobre desânimo. chorar. escutar. sorrir. me posicionar. defender meu ponto de vista. estudei. me aproximei das minhas ancestrais – mulheres guerreiras. pedi ajuda. sobrevivi. estou aqui contando a minha história. cheguei longe nos últimos meses. há muito caminho para ser percorrido. sou a mulher e seu caderno.

KAUR, Rupi. Meu corpo minha casa / tradução de Ana Guadalupe. – São Paulo: Planeta, 2020. p.30

não há nada de errado com você

isso é crescimento

isso é transformação

decidir se proteger

se perder na multidão

tentar se resolver

sentir que alguém te usou

e não teve consideração

perder a esperança

ficar sem energia

isso é medo

isso é reflexão

isso é sobrevivência

isso faz parte da vida

– jornada

não é apenas fazer força

Têm uma combinação de medicações, terapia, atividade física, leituras, estudos, meditação, oração, autoconhecimento, apoio da família, das amigas… é uma lista quase infinita.

Estou fazendo toda essa “engrenagem” rodar. É sobre isso, quando digo que existe um cansaço por ter que fazer força todo o tempo, cansa, muito.

Caminho, corro, tropeço, caio, choro, descanso e levanto novamente… Está sendo assim, todos os dias, me reencontrar e respeitar o que sinto. Sendo clichê, é uma mistura de montanha russa e trem fantasma.

Um texto autoajuda né? Quero deixar registrado que não sou a mais nova “zen iluminada”, é apenas meu processo. Estou me reencontrando e aprendi que está tudo bem chorar.

texto de final de ano

Depois do almoço. Estou aqui, com fones no ouvido, escutando as músicas mais curtidas da playlist. Caderno e caneta me fazem companhia, não estou sozinha. Escrevo. As folhas em branco são em menor quantidade, escrevi muito nos últimos meses. Coisa demais. Não me vejo mais no fundo escuro, encolhida. Consigo ver luz. Estou de joelhos, ensaiando levantar. Parece texto de de final de ano, mas estamos no fim do ano mesmo.