Nota

chão

No banco do jardim. Parei um segundo para observar a chuva cair. Um dia frio. Vento forte. Fiquei com vontade de sentar na calçada - no meio fio - ficar mais próxima do chão e prosear com alguém até a chuva passar. No chão frio sinto a força da terra. Nos últimos dois anos estive mais no chão do que qualquer outro lugar. Duro. Frio. Escuro. Lamacento. Olhando daqui do banco, o chão não parece tão repulsivo. Rememorei minha infância na porta de casa. O chão era local sagrado. Espaço de encontro. Bom sentar no chão. A gente ria. Brincava. Compartilhava segredos. Crescemos. Deixamos de frequentar nosso lugar. Esquecemos. Somos adultas. Chão agora lembra queda. Cair dói. Na pressa do dia a dia nem notei que eu havia levantado do chão. Hoje desejei sentar no chão - por escolha.
Citação

frio, café e um bom livro

“Retirar o feminismo da seara das polêmicas infindáveis e enfrentá-lo como potência transformadora é o que há de urgente. Vale nesse momento, enfrentar essa urgência”.

TIBURI, Marcia. Feminismo em comum: para todas, todes e todos – 9ª edição. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos,2019. p.08

Resistência

A resistência queimou no meio do banho quente. Sem aviso a água gelada caiu sobre o corpo que encolheu instintivamente como proteção. Tremer sem controle sobre a água fria me fez lembrar o dia que você me deixou. Doeu. Me encolhi tanto que encostei meus joelhos no queixo. Me abracei. Coloquei água para esquentar no fogão de lenha, pode até demorar para aquecer, mas o frio já não tem mais tanta intensidade por aqui.

Derretida

Neste momento em algum lugar, encontra-se minha alma. Aqui, tudo é vazio e silêncio. Os carros já não congestionam a rua. Bela criatura que criastes. Linda flor do campo. O colorido mudou de cor. Sozinha no quarto brinca, a menina, feita de neve. Nasce o sol. Brecha na janela. Raio de luz ultrapassa o vidro. Tudo se ilumina. Derrete a menina.

texto escrito em 15 de abril de 2007