uma chance

“Uma chance”, foi o que você pediu olhando nos meus olhos, depois de alguns meses em silêncio total. A lista de perguntas para te fazer, que anotei no meu caderno, não tirei da bolsa, e como quem advinha o futuro, você respondeu todas elas. Confesso que meu coração disparou e minhas mãos estavam geladas.

Hoje, consigo compreender que este tempo de “silêncio” foi importante para nosso crescimento. Ainda temos muito o que aprender, viver é aprender o tempo todo. Sinto que estamos voltando para nosso caminho, o meu caminho, o seu caminho.

Quando nossas mãos se encaixaram novamente, percebi que o carinho que você fazia com o polegar, enquanto segurava a minha mão, não foi esquecido. Sensação boa de cuidado. Os pequenos gestos são tão importantes.

“Uma chance”, eu disse olhando nos seus olhos, que nossa história merecia.

Status

Não Entendo (Clarice Lispector)

Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.