Nota

Empatia, especiaria rara

A sociedade vai te julgar – e muito – se você for mulher mais ainda. Seu nome será assunto nas rodas de conversas e nos almoços familiares aos domingos. Te atribuirão um adjetivo – você ganhará um defeito e também uma piada.

Empatia se transformou numa especiaria rara, como aquelas do século XV, por ser impossível, com os conhecimentos da época, cultivá-las.

Vivemos “tempos líquidos”, avisava Zygmunt Bauman.

Covid-19 mata sim

O capitalismo impõe que a gente não pare nunca. A linha de produção e de consumo seguem em alta escala nas sociedades. Escutamos que o mundo não pode parar, mas paramos, desaceleramos. A pandemia – obrigou e ainda nos obriga – seguir um ritmo mais devagar e com prudência. O cuidar deixou de ser individual e passou a ser coletivo.

Sinto que falhamos. A grande maioria das pessoas – incluindo nosso descompensado, para não chamar de IDIOTA, Presidente da República, vem negando a existência de um vírus que mata. TODXS nós somos responsáveis, culpados e culpadas pelo que acontece ao nosso redor e para além desse limite também.

O Covid-19 que mata tem chegado cada vez mais perto, e me sinto impotente apesar de seguir todas as recomendações e protocolos – cuidar de mim é também cuidar do outro – mas há aqueles que vão na contramão dos fatos. Acabo de saber que nossa vizinha, de anos, não conseguiu se recuperar da covid após semanas internada na UTI. Mais uma família atingida pela ignorância daqueles que não acreditam na letalidade do vírus.

Peço – na verdade IMPLORO – que tenham um pouco mais de EMPATIA, que se cuidem, que não façam “vistas grossas” para esse vírus que mata. Não dá para achar normal os números de pessoas que morreram e que morrem no momento em que escrevo esse texto.

SE CUIDEM, E CUIDEM DOS SEUS, COVID-19 MATA

#usemáscara #usealcool70 #laveasmãos #matenhadistanciamento #covidmata #bolsonaroidiota #elenãomerepresenta

Sinto outras dores

Não sinto apenas a dor de quem teve um coração partido.

Sinto dor por ver uma Terra que agoniza.

Pandemia.

Racismo.

Homofobia.

Violência.

Desigualdade.

Guerra…

Pandemia. Racismo. Homofobia. Violência. Desigualdade. Guerra… Mata por minuto.

No Brasil (des)governo. Fake news. Ministro entra. Ministro sai.

Pessoas são consideradas números. Descartáveis.

Não há respeito pelos que morreram.

Todas as vidas importam.

Sinto dor por todas.

Inúmeras histórias de vida. Perdidas.

Choro. Sofro.

Desejo. Imploro.

Empatia.

Respeito.

Afeto.

Amor.

Por favor.