Nota

chão

No banco do jardim. Parei um segundo para observar a chuva cair. Um dia frio. Vento forte. Fiquei com vontade de sentar na calçada - no meio fio - ficar mais próxima do chão e prosear com alguém até a chuva passar. No chão frio sinto a força da terra. Nos últimos dois anos estive mais no chão do que qualquer outro lugar. Duro. Frio. Escuro. Lamacento. Olhando daqui do banco, o chão não parece tão repulsivo. Rememorei minha infância na porta de casa. O chão era local sagrado. Espaço de encontro. Bom sentar no chão. A gente ria. Brincava. Compartilhava segredos. Crescemos. Deixamos de frequentar nosso lugar. Esquecemos. Somos adultas. Chão agora lembra queda. Cair dói. Na pressa do dia a dia nem notei que eu havia levantado do chão. Hoje desejei sentar no chão - por escolha.
Status

me enganei

acreditei no seu discurso. engoli seco sua confissão. chorei. dei uma chance. confiei que seria diferente. os planos foram retomados. os beijos eram urgentes. havia carinho na mão.

me enganei.

seu discurso mudou. sua confissão passou a me assombrar. choro. a chance agora me machuca. não foi diferente. planos foram parados. beijos já não são urgentes. a mão não procura a minha.

me enganei.