clube do brigadeiro gelado

Dois meses atrás, uma amiga me apresentou um brigadeiro gelado que segundo ela: “cura qualquer dor de cotovelo”, cura mesmo. Naquele dia compartilhamos nossas dores, alegrias, medo e conquistas. Retomamos uma amizade que foi construída no período da Universidade. O tempo, a vida e tantas outras obrigações acabam nos afastando de muitas pessoas ao longo da vida. Uma tarde de escuta atenta e acolhedora. Nos divertimos apesar de estarmos passando por uma fase desafiadora no momento, e foi como se o tempo não tivesse passado, ainda éramos aquelas meninas, hoje mulheres, de anos atrás descobrindo o mundo. Amizade é amor puro.

Ontem, apresentei esse mesmo brigadeiro para outra amiga, mais uma tarde de conversa boa, de escuta atenta e acolhedora. Também rimos, falamos de assuntos doídos, sonhos, desejos e medos. Aprendemos muito quando escutamos outra pessoa, mas para que esse aprendizado seja significativo é preciso que haja empatia. Não precisa concorda com tudo, mas respeitar sim. Também nos divertimos apesar de estarmos passando por uma fase desafiadora no momento. Amizade é amor puro.

Acho que vou criar o “Clube do brigadeiro gelado”, um grupo de mulheres, que se baseia na escuta atenta e acolhedora, afinal, quando acolhemos uma mulher acolhemos também nossas ancestrais. É tão bom não se sentir sozinha. Gratidão ao feminino que venho descobrindo em mim. Quem me dera juntar todas numa mesa para compartilharmos nossas histórias, quem sabe um dia… Vou jogar para o Universo. Sigamos juntas.

“Quem tem um amigo tem tudo
Se o poço devorar, ele busca no fundo
É tão dez que junto todo stress é miúdo
É um ponto pra escorar quando foi absurdo.”

Emicida – Quem tem um amigo (tem tudo)

Segunda-feira doce

Doce

Hoje me senti cuidada. É muito boa a sensação de receber carinho, principalmente quando a TPM resolver aparecer.

Ganhar uma sobremesa, embalada cuidadosamente, na hora do almoço é carinho. Talvez essa amiga nem saiba, mas me fez um bem danado receber afeto em forma de doce. O amor realmente está nas coisas simples. Gratidão.

* imagem arquivo pessoal, 2021.

Nota

12

❤️,

Como eu gostaria de poder te ajudar, afastar de você essa dor que te faz perder o sono e o apetite. Queria poder te devolver sua risada, o brilho dos seus olhos e todos seus planos. Se fosse possível eu aceitaria dividir suas angústias comigo – não que eu te ache fraco – é que dói demais te ver sofrer. Prometo que vai ficar tudo bem – caso dependa de mim. Eu amo você – talvez nem imagine o quanto. Sinto.

Nota

Em casa

Senti tanta falta daquele abraço por trás – dado de surpresa – enquanto distraída eu olhava pela janela. Sensação boa descansar minha cabeça no seu ombro. Luzes apagadas e nós dois ali, dançando nossa música. Fechei meus olhos. Era só você e eu. Não dissemos nada. Ficamos abraçados não sei por quanto tempo  – para mim durou o tempo suficiente para me sentir segura – eu estava em casa novamente.

Nota

Mergulho


Como faço para reparar erros que cometi no passado? Hoje, mais madura, consigo identificar todas às vezes que falhei.

Não, não pense que isso me faz paralisar, agora tenho consciência dos muros que construí e aceito com gratidão a mulher que fui e sou.

Admito que poderia e deveria ter feito diferente, mas fui seguindo regras escritas, para não dizer impostas, por uma sociedade conservadora e machista. Sempre ouvi a frase: “seja uma boa moça e aguarde”, ingênua eu esperei.

Faz pouco tempo que venho me (re)descobrindo, experimentando uma força que por tantas vezes renunciei por acreditar que não possuía.

Percebo que dar um salto para dentro de si mesmo é um ato de coragem, a gente corre o risco de se machucar muito. Queda livre com frio na barriga. Quem nos aguarda lá embaixo, para amortecer o impacto da queda é nossa criança interior. Abraçadas choramos.

Peço perdão para a menina que fui e agradeço pela mulher que sou. Estou em paz mas sei que esse encontro é um dos muitos veus que precisam ser tirados e ressignificados.