nomear

Constantemente lidamos com sentimentos que não sabemos nomear. Nos últimos anos busquei entender, compreender e respeitar tudo que sinto – engana-se quem pesa que é um exercício fácil – corremos o risco de encarar de frente nossa pior versão. Por diversas vezes me desconheci. Me encantei também. Ainda há muito que chacoalhar aqui dentro, muito de mim ainda é desconhecido por mim mesma. Às vezes sei dar nome a tudo que sinto, já em outras não faço a menor ideia. Ontem eu estava triste. Hoje não sei dizer o que sinto, não é tristeza mas também não é paz; não é medo mas também não é coragem; não é solidão mas também não é presença; não está escuro mas também não está claro; não é saudade mas também não é raiva. Domingo, hoje não sei te nomear.